quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Com o tema “Sustentabilidade e Redes Sociais”, a Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis realiza seu IX encontro

por Ellen Reis

Para finalizar as atividades realizadas no ano de 2011, o Governo do Estado de Pernambuco, por meio da Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco (CONDEPE/FIDEM), em parceria com o Núcleo de Saúde Pública e Desenvolvimento Social (NUSP/UFPE), promoveu na terça-feira, dia 29 de Novembro, o IX Encontro da Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis. Com o tema “Sustentabilidade e Redes Sociais”, o evento foi realizado no auditório do Colégio Nossa Senhora do Carmo, no bairro da Boa Vista. A abertura do evento, que teve início às 08h30, ficou por conta do grupo Mazuca Agrestina, liderado pela dupla “Zé Pretinho e Valdir”. Logo depois, o Presidente da Agência CONDEPE/FIDEM, Antônio Alexandre da Silva Júnior, e a Diretora em exercício do NUSP, Valdilene Viana, deram as boas-vindas aos representantes dos 22 municípios que integram a Rede. 
Iara Gomes
Na parte da manhã, a Professora e Doutora da Universidade de Brasília (UnB), Iara Lúcia Gomes Brasileiro, encabeçou a palestra sobre “Sustentabilidade: o que eu tenho a ver com isso?” Iara apresentou o conceito atual de sustentabilidade afirmando que “... ser sustentável é pensar o passado e projetar o futuro para viver o presente.” Citou ainda vários trabalhos – como os grupos “Mãos de Fibra” (Limoeiro) e “Arte Calango” (Barra do Riachão) - em que a Rede conseguiu conciliar as necessidades do município e a preservação ambiental. Completou dizendo que “quando cada um faz a sua parte, todo mundo faz. Então, quando alguém está mal, o outro levanta e assim a gente continua a caminhada”. Logo depois, os participantes do encontro puderam contar com a apresentação cultural do grupo de Maculelê “Terra Nossa” da comunidade de Catucá, no município de Timbaúba. 
Ricardo Melo
Na tarde de terça-feira, o jornalista e consultor de comunicação, Ricardo Mello, fez uma palestra sobre “Redes Sociais e Comunicação”. Logo no final da tarde, a “Quadrilha da Amizade”, formada por um grupo da terceira idade, finalizou as apresentações culturais. O encontro contou ainda com um desfile realizado pelas artesãs dos municípios de Limoeiro, Pesqueira, Pombos, Barra de Guabiraba, São Vicente Férrer e São Joaquim do Monte (Barra do Riachão). Durante todo o evento, uma feira foi montada para que as artesãs pudessem confeccionar os seus produtos conhecidos e comercializá-los.
O momento mais importante do ano para a Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis é sempre uma oportunidade para que as diversas autoridades do Estado, os profissionais envolvidos nos projetos e os próprios moradores dos municípios troquem experiências e fortaleçam ainda mais as suas relações. Além de ser um registro sobre tudo o que aconteceu durante o ano, funciona como uma renovação de laços e de projetos para que se façam conhecidas as propostas dos anos posteriores.



Clique na foto para ampliar






sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Tem fim a terceira edição do III Curso Internacional do TCTP

por Ellen Reis


Depois de um mês de aulas, teve fim a terceira edição do Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis. Os 22 participantes do TCTP, 15 africanos e 7 brasileiros, foram treinados sob a ótica do curso Formação de Promotores de Municípios Saudáveis com o objetivo de se tornarem promotores de saúde. O curso que foi finalizado dia 10 de novembro além de contar com profissionais do Núcleo de Saúde Pública e Desenvolvimento Social (NUSP) como Ronice Franco de Sá, Rosane Salles, Edione Silva, Mariza Andrade, Socorro Freire, Abel Menezes, Janete Arruda e Djalma Agripino, ainda contou com os conhecimentos de professores de outras universidades, tais como o Prof. Jimmy Peixe (UFRPE), e as experiências dos profissionais da Agência CONDEPE/FIDEM, Cláudia Melo e Célia Trindade e de representantes da Agência Internacional de Cooperação do Japão (JICA). 


Nos três últimos dias os participantes expuseram os seus Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) de acordo com os assuntos que foram abordados no TCTP e que por ventura poderiam se encaixar na realidade de cada país representado: Angola, Cabo Verde, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Brasil. O último dia do curso foi marcado por confraternizações.




Não esqueça que para conferir mais fotos dos eventos é só acessar o perfil do NUSP no facebook:
http://www.facebook.com/profile.php?id=100002600865536&sk=info

Discussão sobre Redes Sociais ganha espaço nas aulas do TCTP

por Ellen Reis

É muito fácil partilhar dados e informações ou formar grupos de afinidade quando o meio que se utiliza é a internet. Além da alta velocidade com a qual a informação é transmitida, os usuários das Redes Sociais assumem uma posição de vanguarda frente aos acontecimentos, já que a gama de usuários aumenta a cada dia seja nas relações pessoais ou profissionais. O que representava apenas um meio para encontrar os amigos, bater papo e trocar experiências passou a auxiliar as relações inclusive nas grandes empresas. O Orkut, o twitter, o facebook ou o flickr - redes mais populares no Brasil - não conta apenas com um público jovem, mas também com empresas que, para facilitar a comunicação entre os próprios funcionários, aderiram a essas ferramentas. Entretanto, muito mais do que formar grupo de afinidades, essas ferramentas formam grupos humanos que promovem debates e discussões sobre os mais variados temas.
Diante disso, a professora Rosane Salles, consciente da necessidade de incluir os assuntos referentes à tecnologia aos estudos dos participantes do III Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis/TCTP, promoveu no dia 31 de outubro uma aula sobre “Uma introdução às Redes Sociais”. O material utilizado na aula foi retirado do site
http://escoladeredes.ning.com/ , pertence a Augusto de Franco, um dos membros, e está disponível para download. O site tem como objetivo reunir pessoas dedicadas á investigação sobre redes sociais e a criação e transferência de tecnologia.
Foi com base no diagrama de Paul Baran que a discussão ganhou corpo. Qual a melhor opção de rede: centralizada, descentralizada ou distribuída? As duas primeiras tipologias remetem a exemplos de redes hierarquizadas, ou seja, será uma relação unilateral. Aquele que recebe assumirá muito pouco o seu papel de produtor. No entanto, a rede distribuída, que conecta pessoas e redes propriamente ditas, estabelece uma relação horizontal em que todos produzem e consomem ao mesmo tempo.
Esse cenário foi o que permitiu que os participantes do TCTP percebessem a importância de criar não apenas redes que fossem interceptadas por um centro articulador ou coordenador, mas, sobretudo, estabelecer relações humanas. Isso beneficia, inicialmente, um grupo que deseje se unir para desenvolver alguma ação, bem como o público para o qual essa ação seja direcionada. A internet e as redes sociais, portanto, não substituem as relações interpessoais, pelo contrário, fortalecem essas relações.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

O município de Pombos recebe visita de campo

por Gorete Linhares

Câmara dos Vereadores de Pombos
Nesta sexta-feira, 04, o NUSP cumpre mais uma etapa do III Curso Internacional de Promoção da Saúde, desenvolvimento local e municípios saudáveis. Trata-se da visita de campo ao município de Pombos, que integra a Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis.
Africanos e brasileiros que participam do curso vão à Mata de Ronda, na perspectiva de realizar uma troca de experiências com os agricultores familiares que produzem orgânicos, além de conhecer a mata mais importante da cidade. Antes, os visitantes vão fazer uma parada na casa de farinha e conhecer a preparação da farinha, do beiju e derivados. 

No roteiro da visita de campo, os participantes do curso terão ainda a oportunidade de ir ao ateliê de Eddy Polo e conhecer a história do artista plástico mais conhecido do município e suas peças. A Associação dos Artesãos de Pombos – ACVP também abre suas portas aos visitantes para que conheçam a experiência exitosa dos artesãos locais, a forma como se organizam e seus trabalhos. Uma roda de capoeira na praça saúda o grupo e encerra a programação do dia no município.
Na sua terceira edição, o Curso Internacional de Promoção da Saúde, desenvolvimento local e municípios saudáveis, implementado no âmbito do TCTP – Programa de Treinamento para Terceiros Países Brasil-Japão, conta com a participação de 22 profissionais e lideranças comunitárias de Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Princípe e do Brasil.
O curso se estende até o dia 11 de novembro, perfazendo um total de 168 horas distribuídas em aulas expositivas, oficinas de trabalho, atividade lúdicas e dinâmicas. Ao final do curso os participantes devem ter elaborado um projeto de intervenção para o seu local de origem.
O curso é uma realização do NUSP-UFPE em parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão – JICA e Agência Brasileira de cooperação – ABC.

Clique na foto para ampliar

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

TCTP fechou a terceira semana de aulas

pela equipe de Comunicação

O III Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis (TCTP), realizado pelo NUSP, reservou para a terceira semana de aulas, explanações e debates acerca de Políticas Públicas Saudáveis, Participação Social e Intersetorialidade e Saúde e desenvolvimento, e desenvolvimento local.
Africanos e brasileiros tiveram contato com professores da UFPE, da UFRPE, da FIOCRUZ/NESC e do CEPEDOC. Ao longo das aulas, os participantes participaram de dinâmicas e fizeram reflexões coletivas e individuais acerca de questões tais como as relações indissociáveis entre desenvolvimento, ambiente e saúde; se debruçaram sobre o conceito de política pública saudável e suas implicações com a saúde, qualidade de vida e construção de municípios saudáveis. Também tiveram contatos com o referencial teórico que define os princípios conceituais sobre desenvolvimento local e suas dimensões culturais, sociais, ecológicas e econômicas. Identidade cultural, solidariedade, cidadania e globalização foram temas que também estiveram na ordem do dia nesta terceira semana do curso.
O curso entra agora em uma reta final, onde os participantes ainda terão algumas aulas expositivas e uma visita de campo ao município de Pombos, mas terão que dedicar mais tempo a preparação das suas propostas de intervenção em seus países de origem.

Reflexão sobre intersetorialidade abre a terceira semana do TCTP no NUSP

Por Ellen Reis
O sociólogo Juan Carlos Aneiros Fernandez deu início à terceira semana de aulas do TCTP. Com o tema “Políticas Públicas Saudáveis, Participação Social e Intersetorialidade” o palestrante focalizou a discussão, na manhã desta segunda-feira (24), para o conceito e as noções de intersetorialidade, apontou as problemáticas e ressaltou a importância de reunir diversas áreas do conhecimento, organismos e departamentos.
Pesquisador e atual secretário executivo do Centro de Estudos, Pesquisa e Documentação em Cidades Saudáveis (Cepedoc) – organização não governamental, sem fins lucrativos, sediada na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo -, Juan Carlos acredita que “Intersetorialidade requer uma abertura para conviver com as diferenças. É um exercício. Demanda a valorização do encontro dos saberes”.
Por mais que haja iniciativas individuais, de responsabilidade de cada setor, a intersetorialidade focaliza aquilo que é de ordem coletiva. Quando a meta é resolver determinado problema, não há uma divisão setorial. O problema existe e cada setor agirá do particular para o coletivo. Sem que se privilegiem especialidades. Janete Arruda, técnica do NUSP, acredita que “o grande desafio da intersetorialidade é deixar de pensar de forma fragmentada e se dedicar ao pensamento comum e à ação conjuntural”.

publicação do CEPEDOC
Cada um dos participantes do curso recebeu um livro, publicado pelo Centro de Estudo, Pesquisa e Documentação em Cidades Saudáveis (CEPEDOC), intitulado “Promoção da Saúde e Gestão Local”, com organização de Juan Carlos Aneiros e Rosilda Mendes. O livro desenvolve temas e conceitos relacionados à gestão pública tomando como referência a proposta de CIDADES SAUDÁVEIS. Os autores discutem os conceitos e as formas de operacionalizar promoção da saúde de modo a reproduzir intervenções com valores relacionados à solidariedade, equidade, à democracia e à inclusão social.


quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Equipe africana visita quilombolas em Águas Belas

por Gorete Linhares

recepção na chegada ao município
Ao longo do III Curso Internacional de Promoção da Saúde, desenvolvimento local e municípios saudáveis, os participantes têm a oportunidade de vivenciar algumas visitas de campo a fim de observar in loco a execução e os resultados de diversas atividades previstas no Plano de Município Saudável das cidades que integram a Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis.
Sexta-feira, dia 21, uma equipe técnica do NUSP acompanhou o grupo de quinze africanos ao município de Águas Belas, aproximadamente a 303 km de Recife. A chuva foi a companhia da estrada. Em Águas Belas, um grupo de promotores locais aguardava o grupo já na entrada da cidade.
À sombra de uma grande árvore, protegidos do sol abrasador da região, os africanos ouviram as primeiras informações sobre a cidade, a programação do dia e as apresentações dos promotores de saúde e do Secretário de Saúde do Município, José Luciano. O dia prometia.  
Os promotores de saúde fizeram relatos de experiências desenvolvidas em várias comunidades a partir do curso de promotores de saúde que o NUSP realizou no município. O grupo foi levado a conhecer a construção de banheiros em residências, resultado da intervenção dos promotores junto às famílias de uma das comunidades de Águas Belas. Em seguida, a comitiva conheceu as instalações da Academia das Cidades, programa governamental desenvolvido em vários municípios pernambucanos. O Secretário de Esportes, que recepcionou o grupo, informou que o espaço é utilizado para realização de diversas atividades de programas sociais, tais como o Projovem, além de atividades religiosas de várias igrejas locais. Nos finais de semana, há uma programação voltada para crianças e adolescentes.  
Prefeito fala aos africanos na sede da Prefeitura
A sede da Prefeitura foi a terceira parada do dia. O prefeito, Genivaldo Menezes Delgado, recebeu o grupo em seu gabinete e falou sobre a história de Águas Belas, os desafios da governança de uma cidade que cresceu em território indígena, que tem baixos índices de desenvolvimento humano e graves problemas sociais com os quais convive uma população de cerca de 40 mil habitantes, 25 mil só no centro da cidade, e uma população rural composta também por remanescentes de quilombos. 

Banda de Pífanos de Sítio Quilombo
Subindo a Serra do Quilombo – A principal atividade do dia impôs ao grupo o desafio de vencer uma estrada de barro subindo uma serra de difícil acesso há cerca de 40 minutos do centro de Águas Belas. Chegar ao alto da Serra do Quilombo foi praticamente uma aventura. A hora do almoço já ia longe, a fome também. Mas, a recepção da comunidade Sítio Quilombo renovou o ânimo do grupo e o almoço foi apreciado acompanhado pela apresentação da Banda de Pífanos da comunidade que reúne cerca de 100 famílias (aproximadamente 445 pessoas) descendentes de africanos escravizados que fugiram para a Serra no período da escravidão. 
Dona Ester fala da história do seu povo aos visitantes
A comunidade tem uma capacidade de articulação espontânea alimentada pelo senso comunitário ali existente. E na simplicidade do seu povo, luta para manter vivo o Quilombo que, ao longo do tempo, foi sendo sufocado pela atividade latifundiária que avançou pela Serra, tirando suas terras e provocando impacto ambiental que põe em risco a permanência das pessoas naquela localidade. Os quilombolas, orientados e apoiados pelo seu senso comunitário, reverteram um processo de extinção de nascentes de água provocado pela atividade pecuária na área, construíram barragem, encanaram a água e aguardam a finalização do estudo antropológico que vai subsidiar o reconhecimento legal do território quilombola. Assim as pessoas simples de Sítio Quilombo ensinam aos seus descendentes a viver com dignidade. Principal aprendizado desta visita de campo.

Samba de Coco de Sítio Quilombo







O samba de coco fecha o encontro com alegria
A pisada rítmica do Samba de Coco, outra manifestação cultural da comunidade, saudou e finalizou o encontro animando o grupo em uma grande roda reunindo africanos de hoje e de ontem, pessoas que tem em comum o mesmo sangue, a mesma ancestralidade e a mesma matriz cultural.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Segunda semana de aulas do III Curso Internacional realizado pelo NUSP

pela equipe de Comunicação

Professor Jimmy Peixe
Os determinantes Sociais em Saúde foram objeto da primeira aula desta segunda semana de aulas do III Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis. O médico e professor do NUSP, Djalma Agripino, abordou aspectos históricos do processo saúde-doença, níveis de determinação, além de analisar a intersetorialidade nas dimensões micro-macro.
Associativismo e Cooperativismo foram temas abordados pelo professor Jimmy Peixe (UFRPE), que estimulou os alunos para que expusessem as noções de cooperativismo e associativismo nos seus países de origem. Foi perceptível a semelhança entre o Brasil e os países africanos de língua portuguesa no que diz respeito ao conceito desses dois termos. Uma associação é um grupo de pessoas que, sem fins lucrativos, se organiza para defender interesses comuns.
Já o cooperativismo surge no sentido de legitimar o serviço, gerar rentabilidade e organizar um grupo de pessoas que desenvolvam o mesmo ofício com vista em expandir o negócio. Consolida-se, portanto, como atividade econômica e social. “Cada um com um ‘bucadinho’ do seu saber vai construindo o espaço que é de todos. A cooperativa é muito bem vista em Angola porque enxerga o que o estado não vê e acaba sendo uma ajuda", declarou a angolana Domingas Isabel Mendonça Pereira.
O professor tratou ainda dos aspectos legais que dão suporte a prática dessas duas formas de agrupamento, da importância de se estabelecer um processo democrático na escolha das suas lideranças e situou historicamente o surgimento, no Brasil, do associativismo e do cooperativismo.


Técnica Cláudia Melo (CONDEPE/FIDEM)
A Agência CONDEPE/FIDEM, do Governo do Estado, trouxe sua experiência com o projeto da Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis para os participantes do Curso, abordando, principalmente, as estratégias de desenvolvimento regional de Pernambuco e a sua forma de atuação junto aos municípios, orientando-os e facilitando a estruturação dos Planos Diretores Participativos. As técnicas Célia Trindade e Cláudia Melo ofereceram aos alunos diversos materiais editados, além de vídeo e fotografias que documentam experiências exitosas da Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis.
A terceira turma do curso também teve, esta semana, a oportunidade de conhecer melhor a Política Nacional de Promoção da Saúde. Danielle Cruz, técnica do Ministério da Saúde fez uma apresentação institucional da política brasileira aos participantes na tarde de quinta-feira, destacando elementos históricos, bases, comitê gestor e ações prioritárias. A semana de aulas se encerra com uma visita de campo ao município de Águas Belas, assunto do nosso próximo post.

A promoção da saúde e o método Bambu foram temas de aulas na primeira semana do Curso Internacional realizado pelo NUSP

pela equipe de Comunicação 
dinâmica com o grupo durante aula sobre promoção da saúde
Na primeira semana da terceira edição do Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis, profissionais africanos e brasileiros puderam apresentar suas idéias iniciais acerca dos projetos que pretendem desenvolver em seus países e instituições de origem.
Os primeiros dias de aula foram dedicados a uma reflexão conceitual sobre a promoção da saúde, os pressupostos que a definem e acerca das diversas estratégias que promovem a saúde, a melhoria da qualidade de vida e o bem-estar, tais como ações intersetoriais em saúde, ações comunitárias, reorientação de serviços, participação entre outras. A técnica do NUSP e professora, Rosane Salles, também destacou em suas aulas o contexto brasileiro da promoção da saúde, exemplificou concepções da promoção da saúde no Brasil, e ressaltou que os pré-requisitos e perspectivas para a saúde não são assegurados somente pelo setor saúde, deixando claro que há uma demanda por uma ação coordenada entre todas as partes envolvidas: governo, setor saúde e outros setores sociais e econômicos, organizações voluntárias e não-governamentais, autoridades locais, indústria e mídia. A Carta de Ottawa, criada na I Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, em Ottawa, Canadá, foi objeto de uma reflexão mais detalhada, por meio de leitura e debate em grupos. 

resultado de atividades em sala de aula

O Método Bambu foi abordado no final da primeira semana de aula. Método desenvolvido pelo NUSP que será analisado ao longo do curso, pois é amplamente utilizada pelo NUSP na sua atuação junto aos municípios integrantes da Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis. Referência básica para os participantes do curso, que puderam se debruçar sobre sua base conceitual e as dimensões metodológica e filosófica do Método, sob a orientação dos técnicos e professores Socorro Freire e Abel Menezes.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

NUSP leva equipe africana ao município de Águas Belas esta sexta-feira

 por Gorete Linhares

grupo de africanos participantes do curso
No decorrer do III Curso Internacional de Promoção da Saúde, desenvolvimento local e municípios saudáveis, que teve início no último dia 10, o NUSP promove nesta sexta-feira, dia 21, atividade de campo no município de Águas Belas, que integra a Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis.
A equipe africana, bem como os brasileiros que participam do curso, terão a oportunidade de observar in loco a execução e os resultados de diversas atividades previstas no Plano de Município Saudável de Águas Belas, especialmente ações voltadas para as comunidades tradicionais da cidade. Tais ações se coadunam com os objetivos e princípios da Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis.
Na sua terceira edição, o Curso Internacional de Promoção da Saúde, desenvolvimento local e municípios saudáveis, implementado no âmbito do TCTP – Programa de Treinamento para Terceiros Países Brasil-Japão, conta com a participação de 22 profissionais e lideranças comunitárias de Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Princípe e do Brasil.
O curso se estende até o dia 11 de novembro, perfazendo um total de 168 horas distribuídas em aulas expositivas, oficinas de trabalho, atividade lúdicas e dinâmicas. Ao final do curso os participantes devem ter elaborado um projeto de intervenção para o seu local de origem.
O curso é uma realização do NUSP-UFPE em parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão – JICA e Agência Brasileira de cooperação – ABC.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

NUSP inicia a terceira edição do Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis

por Ellen Reis 
A cerimônia de abertura da terceira edição do Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis foi realizada no último dia 10 de outubro, no auditório João Alfredo (localizado na Reitoria da UFPE), A solenidade, que teve quatro horas de duração, contou com a presença de autoridades como o Reitor, recentemente eleito, Profº Anísio Brasileiro de Freitas Dourado, o Cônsul do Japão Sr. Tadayoshi Mochizuki, a coordenadora do TCTP e diretora do NUSP Prof. Ronice Franco de Sá, o técnico especializado do Deptº de Vigilância da Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador, representando o Ministério da Saúde, Sr. Rogério Fenner, o representante chefe da JICA Sr. Katsuhiro Haga, a analista de projeto, representante da ABC, Sra. Juliana Martins Basso, o diretor executivo de apoio à gestão regional e metropolitana da agência CONDEPE/FIDEM Sr. Luciano Pinto e o secretário de saúde do Recife e vice-presidente do conselho nacional de secretários municipais de saúde Sr. Gustavo Couto.
Maracatu Mirim Lagoa do Meio
Além dessas autoridades que compuseram a mesa da cerimônia, a abertura contou ainda com a presença dos profissionais do NUSP e, é claro, dos 22 participantes (15 africanos e 7 brasileiros) do TCTP. Após a apresentação da mesa e dos votos de boas vindas para os participantes, os convidados puderam assistir a apresentação cultural do Maracatu Mirim Lagoa do Meio, do Município de Timbaúba. 
Para finalizar o cerimonial, a Profª Ronice Franco de Sá apresentou aos participantes a proposta, os objetivos e as metas já alcançadas pelo TCTP. À tarde, os africanos e brasileiros conheceram as instalações do NUSP e receberam o material didático do curso. No dia seguinte eles assistiram à primeira aula, ministrada por Rosane Salles (NUSP/UFPE) e um a um apresentaram as propostas do trabalho de intervenção que deverá ser concluído concomitante com o término do TCTP. 

Participantes da terceira edição do Curso
Durante um mês, de 10 de Outubro a 10 de Novembro, os 22 participantes serão treinados, sob a ótica do curso Formação de Promotores de Municípios Saudáveis, com o objetivo de se tornarem promotores de municípios, comunidades e ambientes saudáveis para que possam multiplicar o aprendizado nos seus locais de origem de forma reflexiva, estratégica e comprometida com os princípios da promoção da saúde e do desenvolvimento local.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Abertura do III Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis

por Gorete Linhares
 
Esta segunda-feira, dia 10, tem início o III Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis com abertura solene no auditório João Alfredo (Reitoria/UFPE). Uma apresentação cultural, a cargo do Maracatu Mirim Lagoa do Meio de Timbaúba irá receber os participantes da terceira turma do Curso, a partir das nove da manhã. Na programação do evento, uma mesa composta por representantes da UFPE/NUSP, ABC – Agência Brasileira de Cooperação, JICA – Agência de Cooperação Internacional do Japão E Governo do Estado/ CONDEPE-FIDEM irá fazer a abertura oficial do Curso. Na sequência, os participantes vão assistir a aula inaugural, a cargo da Profª Drª Ronice Franco de Sá.
Assim como no II Curso, realizado ano passado, esta edição é também direcionada aos países africanos de língua portuguesa. São ao todo 22 participantes, sendo seis de Cabo Verde, quatro de Moçambique, quatro de São Tomé e Príncipe, um (01) de Angola e sete brasileiros. De modo geral, profissionais que atuam na área de promoção da saúde, desenvolvimento local, cooperativismo e/ou gestão de políticas públicas, lideranças comunitárias e/ou gestores comprometidos com o processo de desenvolvimento de suas localidades.
O Curso tem como objetivo principal capacitar os participantes na experiência nipo-brasileira em Municípios Saudáveis e na construção de uma metodologia flexível estruturadora (método Bambu – metodologia desenvolvida pelo NUSP) para uso nos municípios de pequeno a médio porte, de forma que eles se tornem difusores das técnicas e da metodologia de trabalho adotadas pela Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis, promovendo a troca de informações com os representantes de cada um dos países envolvidos sobre as práticas e técnicas de Promoção da Saúde e Desenvolvimento Local a fim de viabilizar o estabelecimento de um canal ágil de cooperação internacional entre o Brasil e os países participantes. Realizado pelo NUSP desde 2009.
Com carga horária total de 168 horas, o Curso será concluído dia 11 de novembro de 2011. As aulas serão ministradas no auditório do NUSP, de segunda a sexta-feira. Além de aulas expositivas, os participantes farão visitas orientadas ao campo a fim de conhecer experiências exitosas de municípios membros da Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis. Estão programadas 03 visitas – Águas Belas (21.10), Caruaru (28.10) e Pombos (04.11). A partir dos conhecimentos apreendidos ao longo do curso, os participantes vão desenvolver uma proposta de intervenção que será apresentada ao final das atividades.
O Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis faz parte do Third Country Training Programme (TCTP) - Programa de Treinamento de Terceiros Países - uma modalidade de cooperação trilateral prevista no âmbito do Programa de Parceria Brasil-Japão (JBPP), operacionalizada pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e pela Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA). O TCTP promove o fortalecimento institucional e a capacitação de recursos humanos dos países parceiros, em áreas consideradas prioritárias ao desenvolvimento local, por meio da transferência de tecnologia, do incremento de competências e da disseminação de soluções criativas.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

O artesanato gera renda e estimula formação de cooperativa de mulheres

 por Ellen Reis 

Antes que qualquer trabalho pudesse ser desenvolvido em Barra de Guabiraba foi preciso um estudo minucioso para descobrir qual a “cara” do artesanato local, qual a cultura preponderante nele e quais as raízes de tradição que norteiam sua história. Esse processo foi bastante interessante porque o Núcleo de Saúde Pública e Desenvolvimento Social (NUSP) conseguiu descobrir a história da origem do local; resgatou todo um passado próspero sustentado pela riqueza das águas; tomou conhecimento da força da liderança feminina (31,76% mulheres responsáveis pelo domicílio – IBGE/2007). Então o ápice desse processo foi buscar essas origens e valorizar o que o município tem de melhor.
O NUSP conseguiu um pequeno recurso, com o apoio do Canadá (em um projeto chamado AIPS – Ações Intersetoriais e Promoção da Saúde) para trabalhar e organizar o grupo de mulheres artesãs. Foram realizadas várias aulas de capacitação sobre cerâmica e cooperativismo, por exemplo, reuniões semanais de monitoramento e muitos eventos culturais aconteceram com o objetivo de adquirir fundos para auxiliar na compra de matéria-prima para a confecção dos produtos artesanais. Dessa forma, as mulheres artesãs recebiam o apoio financeiro e o auxílio de profissionais que orientavam acerca da importância de se trabalhar em grupo; o valor da arte como instrumento de linguagem, a necessidade de preservar as bases históricas e as raízes culturais locais e a explorar o conceito de cultura comum para que, em meio à diversidade dos modos de vida particulares, se consiga estabelecer um grupo coeso.
Noções como essa fizeram o artesanato das mulheres de Barra de Guabiraba se desenvolver de tal modo que hoje é possível enxergar a trajetória do município antes e depois das ações intersetoriais em promoção da saúde dentro da perspectiva de município saudável: foi criado um símbolo do grupo, foi reconstruída e valorizada a tradição das mulheres artesãs que trabalham com o barro (de alta qualidade que até a pouco tempo quase ninguém tinha conhecimento), participaram por 2 anos consecutivos da Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte) e ainda foi feito um estudo de viabilidade do negócio com a proposta de formar efetivamente uma cooperativa, de conseguir um espaço, de comprar fornos para facilitar o trabalho. Todas essas metas têm recebido o apoio de instituições como o PRÓ-RURAL, o IPA (Instituto Pernambucano de Agricultura) e o próprio Conselho de Desenvolvimento Local.
Na próxima segunda-feira, dia 03 de Outubro, haverá uma reunião com o objetivo de apresentar o modelo de gestão cooperativa às mulheres. Em seguida, elas realizarão a primeira assembléia que constituirá formalmente a cooperativa. A proposta é que essas artesãs recebam um suporte técnico (profissionais da área de Direito, por exemplo, se encarregarão da parte jurídica da oficialização da cooperativa) e constitucional. Isso vai permitir um maior fortalecimento do grupo que, através dos projetos desenvolvidos pelo NUSP, conseguem gerar renda, promover educação para toda a população, beneficiar jovens, mulheres, professores, costureiros, lideranças comunitárias, assim como contribui para o desenvolvimento local.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Inserção de Barra de Guabiraba na Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis

por Ellen Reis
São Joaquim da Barra, apenas Barra, Itapecó, Guabiraba e, finalmente, Barra de Guabiraba. Foi o historiador Mário Melo que se deparando com uma frondosa Guabiraba na confluência dos rios Sirinhaém e Bonito Grande teria determinado o nome do local como definitivamente Barra de Guabiraba. Os vários nomes pelos quais o lugar passou revela toda uma grande carga histórica que começou com uma pequena população em derredor do sítio de Manuel Lorentino dos Santos. Mais tarde o povoado foi elevado à categoria de vila, em 1939, e em 1958 a município. 
Colar produzido por mulheres artesãs
de Barra de Guabiraba
Barra de Guabiraba faz parte da microrregião do Brejo Pernambucano (Agreste) juntamente com Bonito, Camocim de São Félix, Sairé e São Joaquim do Monte; situa-se geograficamente nos domínios da Bacia hidrográfica do Rio Ipojuca; tem hoje uma população de 12.765 habitantes (IBGE/2010); possui um solo fértil, propício à agricultura, como o plantio da cana-de-açúcar e o município é um dos maiores produtores e exportadores de flores da região. A cidade usufrui de riquezas ainda maiores: a água e os trabalhos artesanais. Barra possui diversas cachoeiras espalhadas por todo o seu território. E entre as quedas d’águas mais visitadas estão as do Galo e a da Onça, próprias para o banho. Além disso, o município é conhecido pelo grande trabalho que desenvolve na área do artesanato com a produção de colares, por exemplo. Com o objetivo de destacar a cultura local e fortalecer a integração social dos membros da comunidade foi que o Núcleo de Saúde Pública e Desenvolvimento Social (NUSP) iniciou suas ações intersetoriais em promoção da saúde dentro da perspectiva de Município Saudável em Barra.
A inserção dessa cidade na Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis engloba as questões sociais, – tentativa de melhorar o IDH da microrregião - a questão geográfica e a própria vontade política do governo e da comunidade local. Foi a partir de então que, juntamente com Bonito, Camocim de São Félix, Sairé e São Joaquim do Monte, Barra de Guabiraba fez parte do grupo de municípios piloto para compor o projeto “Municípios Saudáveis no nordeste do Brasil. Na medida em que atividades iam sendo desenvolvidas nessas localidades, houve a necessidade de promover encontros de Rede com o objetivo de compartilhar os resultados obtidos nas cidades. Através desses encontros, Barra de Guabiraba tomou conhecimento do sucesso do artesanato com as mulheres e crianças artesãs, da zona rural de São Joaquim do Monte, no distrito de Barra do Riachão que apresentavam um trabalho artesanal de rede de pesca, utilizando o cordão como matéria-prima. Os grupos de mulheres e crianças tiveram o apoio da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) através de um projeto de extensão. As ações desenvolvidas deram tão certo que os produtos ganharam espaço na Feira Nacional de Negócios do Artesanato (FENEARTE).
Barra de Guabiraba desejou desenvolver atividades artesanais semelhantes as que estavam acontecendo em Barra do Riachão e com o apoio da cooperação internacional Brasil-Canadá, através do projeto Ações Intersetoriais em Promoção da Saúde (AIPS)-Empoderamento das Mulheres Artesãs de Barra de Guabiraba e Modelando Sonhos: Integrando o Artesanato e o Design para a construção de um município Saudável em Barra foi criado o grupo “Arte das Comadres”, com mulheres do bairro da Boa Esperança.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

A Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis ganha espaço na FEMUPE


por Ellen Reis
A Feira dos Municípios de Pernambuco (FEMUPE), realizada nos período de 03 a 07 de Agosto, contou com aproximadamente 90 stands espalhados pelos quatro cantos do Centro Escolar de Práticas de Educação Física (CEPEF). A terceira edição do evento foi, pela primeira vez, realizada no interior do Estado – mais precisamente no Agreste Pernambucano – no município de Lajedo.
Entre os expositores estava a Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis que, representada pelos municípios de Barra de Guabiraba, São Joaquim do Monte (Barra do Riachão), Limoeiro e Pombos, divulgou o trabalho de artesãs, as ações realizadas pelo Núcleo de Saúde Pública e Desenvolvimento Social na Rede, bem como os materiais sobre o Método Bambu e os boletins produzidos pelo NUSP.
Para a Rede a experiência foi enriquecedora por, não apenas permitir a troca de experiências entre o público, os artesãos e a cultura, mas também contribuir para dar maior visibilidade aos produtos locais na medida em que o evento representou uma vitrine de exposição da cultura pernambucana.
Como estratégias de divulgação, os municípios da Rede juntamente com a Universidade Federal de Pernambuco, a PROEXT (Pró-Reitoria de Extensão) e o NUSP, produziram etiquetas para identificação dos produtos dos quatro municípios, além da distribuição dos folders com informações sobre o trabalho dos artesãos.
Nos cinco dias de Feira os portões ficaram abertos das 14hs às 22hs e o público pôde usufruir de uma programação bastante diversificada: shows, danças, teatro, cordel, artesanato e muito mais da cultura popular. O evento foi realizado pela ação conjunta entre a Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) e a Prefeitura de Lajedo.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Inscrições abertas para o III Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis


 por Gorete Linhares
Até o dia 28 de agosto estão abertas as inscrições de candidatos estrangeiros e brasileiros ao III Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis. A exemplo do II Curso, realizado ano passado, a terceira edição é também direcionada aos países africanos de língua portuguesa (15 vagas). Para o Brasil são oferecidas cinco vagas.
Tem como objetivo principal capacitar os participantes na experiência nipo-brasileira em Municípios Saudáveis e na construção de uma metodologia flexível estruturadora (método Bambu – metodologia desenvolvida pelo NUSP) para uso nos municípios de pequeno a médio porte, de forma que eles se tornem difusores das técnicas e da metodologia de trabalho adotadas pela Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis, promovendo a troca de informações com os representantes de cada um dos países envolvidos sobre as práticas e técnicas de Promoção da Saúde e Desenvolvimento Local a fim de viabilizar o estabelecimento de um canal ágil de cooperação internacional entre o Brasil e os países participantes. O curso, realizado pelo NUSP desde 2009.
Com carga horária total de 168 horas, o Curso tem aula de abertura programada para acontecer dia 10 de outubro e conclusão dia 11 de novembro de 2011. As aulas serão ministradas no auditório do NUSP, de segunda a sexta-feira. Além de aulas expositivas, os participantes farão viagens de estudo a fim de conhecer experiências exitosas de municípios membros da Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis.
Destinado a profissionais que atuem na área de promoção da saúde, desenvolvimento local, cooperativismo e/ou gestão de políticas públicas, lideranças comunitárias e/ou gestores comprometidos com o processo de desenvolvimento de suas localidades em Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Brasil. Os candidatos devem ter escolaridade média (correspondente a 8 anos de estudo regular) e faixa etária desejável entre 22 e 65 anos. Além disso, devem apresentar um plano de trabalho a partir dos temas abordados no curso, a ser aplicado na sua instituição.
Para ter acesso, os africanos desses países interessados devem procurar a Embaixada do Brasil, o escritório da Representação da Agência de cooperação Internacional do Japão (JICA) ou a Agência de Cooperação em seu país para informar-se acerca das candidaturas. Em cada país, os governos locais farão a seleção dos candidatos das instituições-alvo (definidas pela cooperação brasileira e japonesa junto aos governos locais). O processo de seleção para brasileiros partirá da instância governamental no Brasil e será monitorado pelo NUSP. Candidatos brasileiros também devem ser indicados por instituições-alvo no Brasil.
O Curso Internacional de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Local e Municípios Saudáveis faz parte do Third Country Training Programme (TCTP) - Programa de Treinamento de Terceiros Países - uma modalidade de cooperação trilateral prevista no âmbito do Programa de Parceria Brasil-Japão (JBPP), operacionalizada pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e pela Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA). O TCTP promove o fortalecimento institucional e a capacitação de recursos humanos dos países parceiros, em áreas consideradas prioritárias ao desenvolvimento local, por meio da transferência de tecnologia, do incremento de competências e da disseminação de soluções criativas.
O detalhamento do processo de candidatura além de outras informações podem ser obtidas no endereço http://www.abc.gov.br/treinamentos/DetalhamentoCurso.aspx

(Contatos no NUSP – 81 2126 8549/ 8553 – Edione/Mariza/Else)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Barra de Guabiraba realiza Primeiro Encontro de Esportes Radicais

Em setembro, as cachoeiras do Galo e da Onça serão o cenário para o PRIMEIRO ENCONTRO DE ESPORTES RADICAIS DE BARRA DE GUABIRABA. A partir do dia 07 de setembro até fevereiro, em todos os finais de semana os adeptos dos esportes radicais vão poder participar de rapel, de tirolesa e fazer trilhas ecológicas.

A idéia do encontro é dar visibilidade às belezas naturais do município e, dessa maneira, atrair os turistas pernambucanos que estão em busca de novos cenários para a prática do esporte. As atividades esportivas serão monitoradas por profissionais do Corpo de Bombeiros da cidade, garantindo maior segurança aos visitantes.

O evento, que conta com a participação de toda comunidade local, é uma realização da Prefeitura do município e do Centro de Apoio à Mulher de Barra de Guabiraba – CEAMUB.

Outras informações podem ser obtidas através dos telefones 81 8861 6430 e 9323 7780 (Cícero – Corpo de Bombeiros).

A divulgação como estratégia de comunicação

A vida não chega pelos jornais, 
mas pela língua do povo”
por Ellen Reis

Os princípios da notícia se alicerçam no LEAD jornalístico: o que? Quem? Quando? Por quê? Como? Onde? Esses questionamentos são essenciais por propiciarem o estabelecimento da comunicação como relacionamento, ou seja, os interlocutores se conectam com o intuito de descobrir, formar e compartilhar a notícia. A informação, portanto, não é atividade de um só; as pessoas formam grupos humanos que só existem a partir de laços de comunicação. Laços que precisam ser alimentados.

Com esse pensamento foi que a jornalista Gorete Linhares, as estagiárias de comunicação do NUSP (Núcleo de Saúde Pública e Desenvolvimento Social da UFPE) e o cinegrafista Amal Ferreira realizaram uma oficina de comunicação, em Barra de Guabiraba, no último dia 13 de julho. Os quinze participantes – divididos entre artesãs, bombeiros, estudantes, professor e vereadora da cidade, vários deles promotores de município saudável – tiveram uma palestra sobre os princípios básicos da comunicação, de uma forma mais técnica, e desenvolveram atividades para a produção de peças de divulgação como release, faixa, panfleto e nota para rádio.

 
A oficina foi realizada na Escola Leobaldo Soares da Silva e teve por objetivos desenvolver a comunicação interna em um grupo tão heterogêneo e permitir que os participantes aprendessem técnicas fáceis e atrativas para divulgar os trabalhos realizados no município, levando em consideração as particularidades de cada grupo. A proposta da atividade foi produzir peças sobre um determinado evento que ocorreria no município. 

Sendo assim, o assunto em pauta foi o Primeiro Encontro de Esportes Radicais de Barra de Guabiraba. Os participantes receberam orientação técnica para a produção do release, da faixa, do panfleto e da nota de rádio, foram divididos em grupos para realizar essas quatro atividades e, posteriormente, apresentaram suas produções. Nesse último momento, a comunicação se estendeu de tal forma que houve um grande debate.

O município de Barra de Guabiraba tem um grande déficit de meios de comunicação de massa. Os 12.776 habitantes contam com uma rádio comunitária de pequeno alcance, abrangendo  a área urbana e alguns sítios apenas, e uma rádio alto-falante que percorre toda a cidade com divulgações emergenciais. Não disponibilizam nem de boletim nem de jornal impresso. Sem contar o restrito acesso à internet. 

Dessa forma, a comunicação fica ainda mais deficitária dentro da própria cidade. Então, estabelecer e fortalecer a comunicação local foram os primeiros passos dados pela oficina para que, a partir disso, as regiões circunvizinhas e todo o estado de Pernambuco conheçam Barra de Guabiraba e seus recursos.




Confira a Matéria realizada na Oficina de Comunicação com os participantes:


A gratuidade do amor na arte do encontro

por Ellen Reis
Rostos marcados pelo tempo conseguem “atar as duas pontas da vida e restaurar na velhice a adolescência”; são como relicário de gerações. Produzem riso tão facilmente por chegar à conclusão de que não há mais tempo para irar-se: o amor e a vida travam um diálogo tão finito que apressar-se é o único chamado. O grito da maturidade ecoa em vibração de alegria porque não há mais nada para perder, seja a disposição, a memória ou a cor do cabelo. Chega-se à conclusão de que a eternidade evoca-se em cada fração de segundo. A vida a partir de agora passa a ser “semente viva” que anseia pelo Já. 
 
Foi nesse contexto que surgiu a oficina temática sobre o amor e o envelhecimento do projeto “A Promoção da Saúde e o envelhecimento: um caminho para cuidar de si”, coordenado por Janete Arruda, Assistente Social e técnica do NUSP (Núcleo de Saúde Pública e Desenvolvimento Social). Tendo em vista a possibilidade de falar sobre um assunto tão amplo e ao mesmo tempo polêmico, levando em consideração o público alvo do projeto, a terceira idade, a oficina – realizada no município de Sairé-PE - teve como objetivo resgatar as noções de amor e suas mais variadas vertentes: seja um amor/amigo, um amor/amante, o amor próprio e o amor pela existência em si. 

Diante disso, a proposta do amor na terceira idade contou com uma dinâmica em grupo e teve como atividade o diálogo entre a Vida e o Amor. Os idosos se juntaram em duplas e assumiram esses dois personagens. Além disso, as músicas de forró movimentaram a tarde do último dia 11 de Julho e trouxe animação para o encontro. Houve ainda uma grande troca de experiências: os participantes expuseram suas opiniões sobre o tema e as atividades feitas durante o dia. Segundo o filósofo Espinosa, “amor é alegria” e foi justamente isso que a Janete Arruda, os técnicos e a equipe de estagiários do NUSP promoveram aos idosos. 
O sucesso desse encontro permitiu concluir que a fusão do Amor e da Vida se personifica na essência de cada ser humano. Isso é tão verdade que o amor duela com a efemeridade da vida ao mesmo tempo em que precisa dessa vida para se manifestar.



Confira a Matéria realizada durante a oficina com o grupo "Nova vida Boa idade":



terça-feira, 19 de julho de 2011

A Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis marcou presença na Fenearte


por Ellen Reis
A literatura de cordel inundou as 32 ruas e os estandes de cinco mil expositores da Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte). Os gigantes em xilogravura decoraram os 29 mil m² da Feira que apresentou a diversidade cultural do Brasil e de 35 países de todos os continentes do mundo através da arte, da gastronomia, da moda e da música. Durante dez dias o Centro de Convenções de Pernambuco (Olinda) foi o palco da maior feira do segmento da América Latina e foi nesse cenário que a Rede Pernambucana de Municípios Saúdáveis (RPMS) expôs os seus produtos.
As opções do catálogo de produtos da Rede foram bem diversificadas: desde colares, blusas e boleros até porta cachaça e arandelas (luminárias). E a matéria-prima dos produtos denota a particularidade de cada município. São Joaquim do Monte, por exemplo, contou com uma equipe de 25 mulheres para produzir seu artesanato e durante três meses utilizaram o ponto de rede de pesca para fazer cachecol, colares, faixas, blusas, descanso de mesa, capa para almofadas e xales.

 

No Espaço Social Codesf (Cooperativa para o Desenvolvimento Sustentável de São Vicente Ferrer) um grupo de oito pessoas produziu, durante seis meses, bolsas, necessaire, jogo americano e colares que tiveram a palha como matéria-prima. Já o município de Pombos contou com um grupo produtor de oito pessoas – sem contar os adolescentes – que confeccionaram cerca de 80 peças utilizando coité e cabaça, durante um mês de oficinas na Associação Cultura Viva de Artistas e Artesãos de Pombos (ACVP). Dentre os produtos estão: porta copo, colombina bordada, cestinhas, barquinhos e arandelas. Segundo Lenize Severina da Silva, artesã do município de Pombos, “os produtos estão sendo muito bem aceitos. Vendemos tanto que tivemos que repor do estoque”.
 

A Rede, representada por cinco municípios - São Joaquim do Monte, São Vicente Ferrer, Salgueiro, Limoeiro e Pombos - encerrou sua participação na Fenearte em grande estilo, pois mais de 270 mil pessoas que passaram pela exposição puderam conhecer o trabalho dos artesãos do Agreste, da Mata Sul, e do Sertão pernambucanos e promover o retorno financeiro às famílias de produtores de cada município. A Feira abriu alas à inclusão de regiões de Pernambuco, contribuiu para uma maior visibilidade no mercado e promoveu a união negócio-cultura.


Confira o vídeo da reportagem realizada no stand da Rede:



quarta-feira, 22 de junho de 2011

Oficina de Comunicação: da produção jornalística aos recursos audiovisuais.

por Ellen Reis
Apurar. Identificar. Checar. Agendar. Redigir. Editar. Publicar. Essas foram algumas das atividades desenvolvidas pela oficina de comunicação que ocorreu no auditório do Núcleo de Saúde Pública e Desenvolvimento Social (NUSP) no dia 08 de junho passado. A fim de promover a interdisciplinaridade e possibilitar o exercício da produção e difusão da informação, os estagiários do NUSP, divididos entre os cursos de Serviço Social e Teoria Ocupacional, foram capacitados quanto à compreensão das etapas de produção da notícia, a desconstrução e produção de um texto jornalístico e de registros fotográficos e audiovisuais (técnicas de iluminação e enquadramento para foto e vídeo). 
Pensar em comunicação como a representação da realidade e reconhecer que cada indivíduo informa, expressa e transmite, não somente o profissional da área, possibilitou o fortalecimento da comunicação interna no Núcleo e, posteriormente, nos municípios que agregam a Rede de Municípios Saudáveis de Pernambuco (RPMS). Com esse intuito a oficina contou com a direção da jornalista Gorete Linhares, com o apoio do cinegrafista Amal Ferreira e das estagiárias de comunicação Ellen Reis e Maíra Mendes dos cursos de Jornalismo e Rádio e TV, respectivamente.
As estudantes de Terapia Ocupacional e Serviço Social, e estagiárias do NUSP, Danielle Mendes e Aline Flávia comentam, respectivamente: “A oficina proporcionou um aprendizado interdisciplinar a todos os participantes e permitiu uma troca de conhecimento pertinente para a formação profissional de cada um.” “A experiência foi interessante e enriquecedora, visto que podemos utilizar os conhecimentos adquiridos, não apenas na profissão, mas também no nosso dia-a-dia”. A oficina é uma iniciativa do projeto de extensão “Comunicação como Estratégia de Promoção de Saúde e Desenvolvimento Social”, desenvolvido pela equipe de Comunicação do NUSP, e tem o apoio da Pró-Reitoria de Extensão, a PROEXT.

Oficina sobre o sono mobiliza grupo de idosos do município de Sairé.

por Maíra Faria
O processo de envelhecimento provoca modificações na quantidade e qualidade do sono, as quais afetam metade dos adultos acima de 65 anos de idade. No município de Sairé, o grupo de idosos intitulado “Nova Vida Boa Idade” escolheu este tema para a oficina realizada, no último dia 6, por técnicas e estagiárias do NUSP. A escolha do tema decorreu das queixas narradas relacionadas ao sono, que incomodam e atrapalham a vida dos participantes do grupo. A atividade levou os idosos a se empenharem numa discussão sobre a relação sono X saúde. Para a maioria deles, dormir é um problema. Não sofrem pressões profissionais e as preocupações são menores, mas o simples ato de dormir é um drama. O sono é mais fragmentado e menos profundo. 

 Para facilitar a compreensão e a troca de experiências, os idosos foram divididos em três subgrupos, que participaram fazendo perguntas e comentários durante toda oficina. Cartazes foram utilizados como suporte para a explicação e reflexão do tema. O objetivo principal foi levá-los a compreender o que pode ser feito para ajudar na recuperação da qualidade do sono, como realizar atividades físicas, freqüentar os grupos da terceira idade e desenvolver algum tipo de trabalho que dê prazer.   
De forma lúdica, os hábitos do idoso foram tratados, tais como assistir televisão antes de dormir, a alimentação e a higiene. Janete Arruda, técnica do NUSP e responsável pela atividade, destacou a relevância de trabalhar esse tema, pois é necessário que percebam como alguns hábitos simples interferem na qualidade do sono.
Representantes da gestão municipal e do NUSP ficaram satisfeitos com o resultado das atividades e já elegeram o Amor e as diversas formas de expressão do sentimento como tema da próxima oficina, que acontecerá no próximo dia 11.
A oficina do sono faz parte do projeto de extensão “A promoção da saúde e o envelhecimento: um caminho para cuidar de si”, realizado pelo NUSP, com o apoio da PROEXT/UFPE. 

Os integrantes do Grupo "Nova Vida Boa Idade" ressaltaram a importância do surgimento do grupo (política pública desenvolvida pela gestão do município há onze anos) e como ele contribui para melhorar a vida de cada um. Veja os depoimentos das promotoras de município saudável, Maria Aliete e Adenir Neves, e de alguns dos integrantes do grupo:



Veja também os depoimentos dos idosos sobre a oficina na reportagem: